Mais de um milhão na marcha de Havana pelo socialismo e fim ao bloqueio dos EUA

Alessandro Rodrigues
Enviado especial

Com o lema da combatividade, produtividade e eficiência, mais de um milhão de cubanos marcharam sobre as ruas de Havana para comemorar o 1º de Maio. A mobilização e o entusiasmo do povo cubano eram facilmente notados durante a madrugada, quando por volta das cinco horas da manhã multidões saíam pelas ruas da cidade e uniam-se às passeatas que partiam em direção à concentração que logo mais tarde iria desfilar pela Praça da Revolução José Martí, onde estavam os dirigentes do Partido Comunista, do governo, da CTC e cerca de 2 mil dirigentes sindicais e políticos de diversas partes do mundo.

A abertura da marcha foi feita pelo secretário geral da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC), Salvador Valdés, único a discursar. Em sua mensagem, Salvador destacou a importância da unidade dos trabalhadores para defender a Revolução. “Desde 1959, não há nenhuma demanda mais importante para os trabalhadores cubanos do que defender a revolução”, disse.

“Aos trabalhadores nos corresponde estar na frente desta batalha, com uma maior consagração ao trabalho que é a fonte principal de criação das riquezas; na elevação da produção e a produtividade”, prosseguiu o dirigente da Central, conclamando os trabalhadores: “Alcemos nossas bandeiras e nossas vozes para que ecoe de um pólo a outro do planeta, de um continente a outro, a decisão irrenunciável deste extraordinário e combativo povo, de construir o socialismo sob a direção do Partido Comunista de Cuba, de Fidel e de Raúl”.

Segundo a Central dos Trabalhadores de Cuba, cerca de 3 milhões de cubanos participaram das comemoração do 1º de Maio em todo o país em 2009, ano especial para Cuba devido aos 50 anos da revolução e 70 anos de fundação da CTC.

Ao mesmo tempo, é crescente no país o sentimento de que a queda do bloqueio norte-americano é uma questão de tempo e talvez nunca esteve tão próxima. Embora muitas pessoas com quem conversamos nas ruas de Havana reconhecessem as dificuldades internas enfrentadas pelo presidente Barack Obama, elas destacaram que na prática o bloqueio já está sendo quebrado por diversos países latino-americanos que iniciaram um processo de aprofundamento das relações comerciais com a ilha, a exemplo do Brasil, Venezuela, Argentina, Equador, Bolívia, e outros.

Isso tem representado um apoio incomensurável para o país, nitidamente expresso nas ruas e na recuperação dos monumentos e casas de Havana Velha.

Além da marcha do 1º de Maio, a delegação da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil participou de atividades organizadas pela CTC e pela Federação Sindical Mundial. A delegação brasileira foi composta por dirigentes da CGTB, da CUT, Força Sindical, Nova Central e CTB.


Primeira Página

 

Página 2

Múlti francesa compra Santelisa, dona de cinco usinas de açúcar

Dez questões sobre defesa e desenvolvimento nacional - 3 (OTHON LUIZ PINHEIRO DA SILVA)

Amorim defende entrada da Venezuela no Mercosul

Comércio com a China cresce e ultrapassa EUA

Para Mantega, taxa Selic não caiu o desejável

TRF rejeita acusação de Mendes contra De Sanctis

Lucro da Votorantim ultrapassa R$ 1 bilhão

Expediente

Página 3

Lula no 1º de Maio: “o pré-sal é a segunda Independência”

Dilma quer que esta riqueza beneficie a população do país

Pré-sal: FUP defende uma nova legislação

Ação pelo fim da CPMF “foi a maior cretinice ideológica”, afirmou Lula

Vice do PPL: “priorizar as empresas nacionais nas compras do Estado e ampliar o mercado interno”

O câncer da sociedade

Laboratório da UFRJ fará pesquisas para o pré-sal

Dantas volta ao STF para ter acesso à Satiagraha

Página 4

Latrocínios aumentam 80% em São Paulo no 1º trimestre

Barbosa: crimes da mídia não podem ficar impunes

Frente Parlamentar paulista em apoio a Cuba pede libertação dos 5 heróis presos nos EUA

“Lei das Organizações Sociais” é aprovada pelos vereadores do Rio

Sarney e Temer apoiam projeto das cotas raciais

Cartas

Página 5

1º de Maio: centrais fazem atos em defesa do salário

Carlos Lupi: nenhum trabalhador pode ter seu salário reduzido

Em São Carlos, trabalhadores defendem redução dos juros e mais emprego no 1º de Maio

Guarujá comemora 1º de Maio com cadastramento de 4 mil casas populares 

Trabalhadores da construção civil de São José conquistam aumento real e mais direitos

Página 6

Atos do 1º de Maio: rechaço mundial ao desemprego e ataque a salários

Na Venezuela, trabalhadores celebram seu dia com apoio às medidas da Revolução, de defesa do trabalho e elevação dos salários

Mais de um milhão na marcha de Havana pelo socialismo e fim ao bloqueio dos EUA

Atos contra demissões e pelo direito à moradia lotam as ruas de NY, Los Angeles e Seattle

Cuba, país terrorista?

Página 7

PIB norte-americano recua 6,1% no primeiro trimestre

Quebra no estado da Geórgia o Silverton Bank, o maior dos 32 que foram à falência este ano

US Steel, monopólio do aço nos EUA, teve prejuízo de US$ 111 milhões no trimestre

Federação Russa e Coréia Popular definem plano de intercâmbio cultural e científico

Exageros sobre “pandemia” da gripe fez Roche e Glaxo captarem 8,85 bilhões de euros em 7 dias

Médicos denunciam Israel por exigir de palestinos doentes informação em troca de acesso a tratamento

A gripe dos porcos e a mentira dos homens

Banco suíço UBS confirma prejuízo de US$ 1,75 bilhão

Página 8

A agroenergia e a expansão do monopólio estrangeiro no país 

Augusto Boal, uma vida e uma obra dedicadas ao Brasil e ao seu teatro 

Bajulado pela “Folha de SP”, Maxwell calunia Inconfidentes