Cada ponto percentual de alta da Selic aumenta a dívida pública em R$ 10 bilhões, adverte Dornelles

O senador Francisco Dornelles (PP/RJ) afirmou, na segunda-feira (28), que a elevação pelo governo federal da Selic – taxa de juro básica da dívida mobiliária federal – perdeu eficácia como medida de controle da inflação, na medida em que as pressões inflacionárias verificadas na atual conjuntura resultam do aumento dos preços de commodities no exterior e de alimentos no país.

“Uma das principais fontes de pressão inflacionária no início de 2011 provém do aumento dos preços das commodities no exterior e dos alimentos no país, ambos os movimentos que não decorrem nem serão influenciados diretamente por qualquer variação na taxa básica de juros”, assinalou.

O senador observou que o impacto da elevação dos juros é prejudicial às contas públicas, uma vez que cada ponto percentual de alta da taxa Selic corresponde a um aumento de aproximadamente R$ 10 bilhões na dívida pública, o que equivale a um incremento do custo da dívida de 0,28% do PIB.

Segundo o senador, que já foi ministro da Fazenda (1985/1986) e da Indústria e Comércio (1996/1998), as autoridades responsáveis pela política monetária devem encontrar novas formas de combater a inflação, que não produzam tantos danos às contas públicas. “Majorar a taxa Selic perdeu funcionalidade no combate a pressões inflacionárias desse tipo e as autoridades monetárias têm uma oportunidade para mudar a formulação e a execução da política macroeconômica do país”, disse.

Dornelles acrescentou que a fixação em elevar a taxa de juros, de modo a reduzir a demanda da economia sempre que há um eventual aumento da inflação, é ineficiente, porque a Selic também não tem a menor influência sobre o crédito que mais cresceu após a crise iniciada no setor imobiliário dos Estados Unidos, que é concedido com recursos direcionados.

Ele citou, como exemplo, que as operações de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) são remuneradas pela TJLP; o crédito para habitação, concedido pela Caixa Econômica Federal com recursos do FGTS, é remunerado pela TR; e as operações de crédito rural do Banco do Brasil corrigidas por taxas prefixadas.

“Não há estudos conclusivos sobre o impacto da variação na taxa Selic sobre a demanda, e mesmo os que acreditam nessa correlação assumem que levam meses para que o efeito seja sentido”, sublinhou.
 


 

Primeira Página

 

Página 2

Fernando Henrique ataca Lula por fazer “gastos exagerados” 

Petrobrás fica altamente vulnerável com 300 mil terceirizados, alerta Aepet

Corte no Orçamento reduz 5,1 bilhões do programa Minha Casa, Minha Vida

Aumento da Selic esfria economia e eleva despesas públicas com juros, afirma Fiesp

Abimaq: suspensão do PSI retira importante ferramenta de desenvolvimento da indústria

Para Contec, “escalada de juros criará economia dos cemitérios”

Serra defende mais arrocho

Expediente

Página 3

Mantega recita o FMI: país não pode crescer ‘mais de 4,5%, 5%’ 

Tarso concorda com professores e anuncia concursos

Requião: congelamento do salário mínimo é um erro

Página 4

Governo do DF recupera de OSs a gestão da Ceasa e Vilas Olímpicas

Prefeitos gaúchos discutem com Telebrás implantação de ‘cidade digital’ no Alto Jacuí

Operadoras de telefonia terão que reduzir preço da assinatura básica à população de baixa renda

AES/Eletropaulo culpa mau tempo por apagão; Inmet afirma que a chuva foi típica de verão

Distribuidoras de energia elétrica terão que indenizar consumidores por cobrar R$ 7 bilhões indevidamente

Estudo mostra que ampliação da matriz nuclear no país reduzirá a emissão de gases poluentes

CARTAS

Página 5

Movimento Social: política de corte é oposta à que foi aprovada nas urnas

Em encontro com Lupi, Neto defende que aumento real do mínimo seja assegurado

Confederação dos Servidores condena o congelamento de concursos públicos

NCST critica reajuste de 4,5% na tabela do Imposto de Renda

Petrobrás: terceirizados da área de sondagem entram em greve

ESPORTES

Página 6

Americanos ocupam as ruas em apoio aos servidores de Wisconsin

Tunísia: levante popular derruba premiê remanescente da ditadura de Ben Ali

Tunísia, Egito, Líbia, Revolução Nacional Árabe ou a guerra dos monopólios pelo controle do petróleo

A Folha e o neocolonialismo petroleiro-1

Página 7

Kadafi: “Estamos dispostos a defender a independência do nosso país”

Líderes mundiais condenam ingerência externa na Líbia

Conselho de Segurança da ONU se submete aos EUA e aprova sanções contra a Líbia

Repórter da Telesur informa que atos transcorrem em clima de normalidade

Iraque: polícia atira em manifestantes e assassina 14

Próximo passo deve ser a Constituinte

 

Página 8

A cultura livre do Creative Commons: um capitalismo bonzinho e altruísta