Coalizão dos EUA ataca Líbia com mísseis e mata mais de 100 civis

Sob o pretexto de “proteger civis”, EUA, França e Inglaterra já explodiram, desde o dia 19, hospitais, ônibus, casas, carros particulares, estradas, aeroportos, pontes e a residência do líder Kadafi

A operação “Alvorecer da Odisséia” assassinou, em três dias se-
guidos de ataques, mais de 100 civis líbios e feriu centenas – inclusive bebês e mulheres -; atingiu dois hospitais e uma clínica cardiológica; destruiu ônibus, automóveis e casas; devastou estradas, pontes, aeroportos civis e até uma aldeia de pescadores; e incendiou um oleoduto e vários depósitos de combustível. A residência de Kadafi no bairro de Bab el Azizia, na capital, que Reagan bombardeou em 1986, voltou a ser destruída 25 anos depois por míssil disparado de submarino inglês. Além de Trípoli, já foram bombardeadas Benghazi, Zuwarah, Sirta, Tarhuna, Misrata, Maamura, Jmeil, Sebha e outras cidades. O ataque, encabeçado pelos EUA, França e Reino Unido, começou na véspera de completar oito anos de invasão do Iraque, ex-Operação Tempestade no Deserto, rebatizada por Barack Obama como “Novo Amanhecer”.

B-52

Não foi apenas o governo líbio que denunciou o banho de sangue desfechado a partir de porta-aviões e submarinos norte-americanos, ingleses e franceses, e inclusive por bombardeiros de longo alcance B-2 desde os EUA. A Rússia denunciou que “ataques contra alvos não-militares [isto é, contra civis] nas cidades de Trípoli, Maamura e Jmeil”. Como consequência – acrescentou o porta-voz da chancelaria russa, Aleksandr Lukashevich, “morreram mais de 48 civis e mais de 150 ficaram feridos”. Ainda segundo a Rússia, “um centro de cardiologia ficou parcialmente destruído e estradas e pontes foram atingidas” pelos bombardeios. Em três dias, a carnificina já chegara a mais de 100 civis e centenas de feridos, o que reforçou a condenação, ou oposição aos bombardeios, da China, Índia, Brasil, Alemanha, Turquia, União Africana e muitos países latino-americanos.

Um quadro tal que o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, que articulara a proposta de “uma zona de exclusão aérea sem tropas terrestres”, se viu forçado condenar no domingo dia 20 os bombardeios. “Era para proteger civis, não para matar mais civis”, admitiu, para, no dia seguinte, se dizer “mal interpretado”.

Além dos EUA, França, e Reino Unido, outros satélites mandaram seus aviões e navios para a agressão à Líbia, como a Espanha, Canadá, Bélgica e Dinamarca, além do protetorado do Qatar. A Itália “sobrevoa mas não dispara”. Por causa da oposição da Alemanha e Turquia, segue emperrada a manobra para que a agressão passe a ser assumida, formalmente, pela Otan.

FUNERAL COLETIVO

Só no primeiro informe dos raides aéreos divulgado pelo Pentágono, 112 mísseis de cruzeiro Tomahawk “contra 20 alvos”; por sua vez a França deixava seu rastro de sangue e bombas na estrada para Benghazi e outros pontos do país. A televisão líbia, que exibira imagens de pessoas hospitalizadas após o bombardeio aéreo, mostrou também um funeral coletivo em Trípoli das vítimas civis da agressão estrangeira.

“O tio de um bebê de três meses, uma menina, ficou parado diante do recém-cavado túmulo, coberto com algumas rosas”, descreveu o correspondente na capital do jornal “China Daily”. “O tio, Muhamad Salim, relatou que o ataque aéreo que atingiu a casa do bebê também feriu sua mãe”. O jornal chinês registrou como o funeral coletivo se transformou em uma manifestação contra o agressor estrangeiro, com uma multidão percorrendo as ruas da capital, acompanhada de milicianos que disparavam para o alto.

“É isso que eles chamam de democracia? Isso não é senão a matança de gente inocente, bebês, gritou uma jovem, enquanto outros protestos espocaram e irromperam convocações para a guerra de libertação”.

No sábado dia 19, a televisão líbia denunciou a investida da força de agressão estrangeira contra a cidade natal de Kadafi, Sirta, a 600 km da capital. “Vocês viram aquele lugar [o aeroporto da cidade]. É um aeroporto civil. Foi bombardeado e muitos morreram”, disse aos correspondentes estrangeiros o porta-voz do governo líbio, Mussa Ibrahim. “Também foram bombardeados portos”. Na segunda-feira dia 21, os ataques foram contra Sehba, cidade a 750 km que, para a mídia imperial, é um bastião da tribo Guededfa, a mesma de Kadafi. Nem mesmo um pequeno povoado de pescadores, a 27 km da capital, e sem qualquer importância militar, foi poupado.


ANTONIO PIMENTA


 

Primeira Página

 

Página 2

Bogossian alerta governo para cobiça estrangeira sobre pré-sal

Em nota, Brasil pede fim dos bombardeios à Líbia

Estados Unidos agem como caubói, afirma Celso Amorim

Skaf: balança comercial com EUA piorou muito

Para Conceição Tavares: temor não é a inflação, é o câmbio

Abinee: “país rico é um país industrializado”

Nunca vi tamanha especulação com o preço do algodão, diz presidente da Abit

Planejamento corta mais 577 milhões do Orçamento

Kassab sai do DEM

Expediente

Página 3

Obama, o “democrata” dos bancos e do cartel bélico 

Dilma cobra a reforma do CS da ONU e critica barreiras comerciais dos EUA aos produtos brasileiros

Casa Branca retribui gentilezas revistando ministros

Página 4

Obama, Dilma e o exemplo de Tancredo

Deputados condenam fechamento de delegacias em cidades paulistas

Governo cria Secretaria de Aviação Civil

Cartas

Página 5

Corte de pagamento, agressões e descaso causam revolta em Jirau

Servidores: “Ministro está enganado. Não estamos satisfeitos com atual situação”

CGTB repudia os ataques à Líbia: “Motivo é o petróleo”

ESPORTES

Página 6

Americanos repudiam agressão à Líbia com atos em 40 cidades

“Bombardeando a Líbia para ‘salvar a Líbia’”

Portugueses condenam bombardeios

Aclamado, líder Aristide chega ao Haiti e condena ‘eleições’ que excluem o Lavalas

Argentina, Bolívia e Equador rechaçam os ataques que visam o petróleo líbio

Brasil, Líbia e a parafernália midiota

Reatores 2 e 3 de Fukushima voltam a apresentar problemas

Página 7

Coalizão dos EUA ataca Líbia com mísseis e mata mais de 100 civis

Líbia abate F-15 dos EUA

Kadafi convoca marcha a Benghazi para impedir agressão estrangeira

Putin, premiê da Rússia: “resolução do CS da ONU parece convocação medieval para cruzada”

1 milhão de armas com o povo para defender a Líbia

“A China nunca esteve a favor de recorrer à violência nas relações internacionais”, afirma Li Baodong

Kadafi aos agressores: “novos hitleristas vão fracassar”

‘Der Spiegel’ divulga fotos de soldados dos EUA no Afeganistão ao mutilar cadáveres de civis

A Líbia e o DJ do Império

Protesto contra ataque à Líbia obriga Ban Ki-moon a esconder-se no Cairo

Conselho Mundial da Paz condena agressão à Líbia

Página 8

O serpentário do neoliberalismo: um estudo da idiotice econômica (4)