Kadafi convoca população a derrotar agressores da Líbia

Kadafi distribui 1 milhão de fuzis ao povo para que “defenda a honra e o petróleo” do país. Em novo discurso em Trípoli, afirmou: “Estamos prontos para a batalha, seja longa ou curta. Vamos vencer”

Já está em avançado estágio de execução a ordem, dada pelo líder Muamar Kadafi no dia seguinte ao início dos bombardeios contra a Líbia, de abrir os arsenais e distribuir 1 milhão de fuzis Kalachnikovs à população, para que “defenda a honra e o petróleo” do país. Em novo discurso ao povo, desta vez desde sua residência em Bab Al Azizia – que Reagan e Obama já bombardearam -, Kadafi afirmou que os agressores são “um bando de fascistas que acabarão na lata de lixo da história”. “Estamos prontos para a batalha, seja longa ou curta. Vamos vencer”, anunciou o chefe da revolução líbia. “Não vamos nos render”.

Ele fez o discurso – o terceiro em uma semana - da sacada de sua residência, perto das ruínas da casa destruída no ataque aéreo contra Trípoli cometido por Reagan em 1986, mantidas tais como ficaram, e do célebre monumento da mão que esmaga um bombardeiro norte-americano. Obama, o Prêmio Nobel da Paz, já bombardeou duas vezes o local em uma semana, e deve vir mais, mesmo caso o comando da intervenção seja passado adiante. “Aqui estou, na minha modesta tenda”, assinalou Kadafi, ironizando a onda de boatos, desencadeada pelo inimigo, sobre seu paradeiro. “Não vou deixar a Líbia. Vou ficar aqui; é a minha pátria, o meu lar”.

MÍSSEIS GRAD

Dirigindo-se à multidão que o acompanhou à Praça Verde, o líder líbio assinalou: “aqui está o povo. Kadafi está no meio do povo. Eis a mais poderosa defesa antiaérea, o povo”. Nos arsenais líbios, há 2.000 mísseis antiaéreos de ombro de fabricação soviética, os Grad. Ele saudou, ainda, as manifestações em todos os lugares do mundo – que já estão sendo feitas ou sendo marcadas – “contra esse ataque injusto que viola os princípios das Nações Unidas”.

A orientação de Kadafi – armar a população contra o agressor externo -, vem sendo seguida à risca. Já empunhando o trabuco no serviço, o âncora do jornal da televisão líbia disse no ar: “Que outro líder no mundo teria a coragem de armar a população, caso não confiasse no seu próprio povo?” Outra medida anunciada pela Líbia, uma marcha “com ramos de oliveira”, de todas as tribos líbias, até Benghazi, também está em preparação; a tribo Warfalla, com mais de um milhão de membros, a ainda maior Meegarha, a Tarhuna e a Kadadfa já anunciaram participação. Kadafi, que tanto fez para a superação da divisão entre tribos, trata de combater fogo com fogo: contra a manipulação de tribos contra a unidade nacional líbia, o avanço da consciência dessas tribos para defender o país.

Em cinco dias de bombardeio feroz, a coalizão de bucaneiros despejou sobre as principais cidades líbias quase 200 mísseis Tomahawk e centenas de bombas, assassinou mais de uma centena de civis e feriu um número ainda maior, socorreu as gangs, mas não conseguiu deter a resistência da Líbia à pilhagem e à partição do país. O que foi reconhecido pelo comando invasor.
Contra a terceira maior cidade líbia, Misrata, foram 12 horas seguidas de bombardeios com avião e mísseis Tomahawk na quarta-feira dia 23, na tentativa de abrir caminho ao retorno dos mercenários. Bombardeio também de Ajdabia, estratégico entroncamento no rumo de Benghazi, o reduto das gangs patrocinadas pelos países ocidentais. 12 horas de mísseis e bombas norte-americanos, ingleses e franceses, mas, na contrapropaganda da mídia, foram os tiros do pessoal do Kadafi que “mataram civis” ali. Para salvar as cidades líbias de bombardeios aéreos que não existiam - como o Estado Maior russo revelou, e até o “Guardian” inglês admitiu -, a aviação estrangeira está realizando um banho de sangue nessas mesmas cidades. Contra Trípoli, é bombardeio toda a noite, e também de dia. Boa parte dos Tomahawks teve a capital de alvo.

Só nos três primeiros dias de bombardeio, o total de civis mortos ultrapassou a casa dos cem, com um número de civis feridos três vezes maior. Foram atingidos três hospitais, estradas, pontes, casas, ônibus e carros. O quadro se repetiu na quarta-feira 23, como descrito pela agência de notícias líbia “Jana”. “Os bombardeios do agressor colonialista cruzado contra a área de Tajura, em Trípoli, atingiram um bairro residencial deixando um grande número de mortos entre os civis”, revelou a agência. Quando chegaram as equipes de socorro, o terceiro raid, que “atingiu os que retiravam mortos e feridos dos dois primeiros ataques”; as sirenes “não paravam de tocar no centro de Trípoli e no bairro de Tajura”, registrou a AFP.

A ponto de, na terça-feira 22, Rússia, China e Índia, em comunicados separados, advertirem sobre a morte de numerosos civis em consequência dos bombardeios aéreos cometidos sob alegação da “Resolução 1973” e denunciarem o banho de sangue. Também a Alemanha – que havia se abstido da votação da “zona de exclusão aérea” - tirou seus navios e pessoal do Mar Mediterrâneo do controle da Otan, para não se meter na aventura de uma guerra contra a Líbia. Outros países, inclusive o Brasil, fizeram apelos por um cessar-fogo. A União Africana – de que Kadafi foi o principal instigador - manteve sua posição de defesa “da soberania e integridade territorial da Líbia”.

Quanto a quem assassina e quem protege civis, são os próprios autonomeados protetores vindos do norte que revelam, às vezes em atos frustros. O vice-almirante-do-ar que comanda pelo Reino Unido o ataque gabou-se na quarta-feira de que suas forças alcançaram “a quase impunidade” no espaço aéreo líbio. “Quase impunidade” – se isso não é uma confissão de um criminoso de guerra, o que mais seria?
Embora os dois pilotos do F-15 dos EUA que se esborrachou no chão dificilmente compartilhem dessa alegria. Aliás, nem o primeiro-ministro inglês, David Cameron, aquele que não esconde – nem seus dois ministros - sua vontade de matar Kadafi. “Não dá para despejar democracia de 40.000 pés de altura”, disse na semana passada. É. Não dá para extrair petróleo a partir do alto, de B-2, nem de F-18. E com um milhão de armas nas mãos do povo ....


                                                                                            


                                                                                            
ANTONIO PIMENTA


 

Primeira Página

 

Página 2

Tombini expõe no Senado como derrubar a economia brasileira

Arrecadação cresce 9,84% em fevereiro

Abinee: governo deve consertar o câmbio e priorizar a indústria nacional nas compras da Petrobrás

Juros altos e arrocho no crédito já atingem a indústria, diz CNI

GDF estuda adaptar linha de trem para passageiros

Deputado do Dem alerta colegas para não caírem nas mãos daquele “moreno escuro do Supremo”

Justiça bloqueia bens da deputada Jaqueline Roriz

Expediente

Página 3

Dilma reafirma a posição do Brasil contra ataques à Líbia 

Solange Amaral deixa Dem, critica César Maia e partido definha no Rio

Detidos na visita de Obama: “Prisão foi ilegal e arbitrária”, denuncia Modesto da Silveira

Página 4

Othon Pinheiro: se Japão tivesse nosso modelo usina não teria entrado em crise

O truque do ventríloquo - Carlos Lyra

Cartas

Página 5

Greve para Suape por aumento da cesta básica e da hora extra

Centrais e sindicato exigem que Camargo Corrêa garanta direitos a operários de Jirau

Cinco centrais lançam 1º de Maio Unificado com ato no centro de SP

Após rodada de negociação, Sindpd avalia nova proposta de aumento salarial: 8,5%

ESPORTES

Página 6

Alemanha descarta entrega para Otan da chefia do ataque à Líbia

Equador rechaça “ingerência contra país soberano”

Manifestações contra a agressão nas ruas de Londres, Atenas, Moscou e Madri

Alemanha retira seus navios da frota da OTAN

Parlamento português rejeita arrocho do premiê José Sócrates, que renuncia

Brasil, Líbia e a parafernália midiota (II)

PTB belga denuncia tentativa de assalto ao petróleo líbio

Página 7

Kadafi convoca população a derrotar agressores da Líbia

União Africana: “bombardeios à Líbia é violação à Carta da ONU”

China, Rússia e Índia condenam ataques aéreos contra a Líbia

Ditadura do Bahrein executa civis e impede os hospitais de tratar feridos; e ONU finge não ver

Mísseis humanitários matam civis na guerra por petróleo-1

 

Página 8

O serpentário do neoliberalismo: um estudo da idiotice econômica (5)