Rússia em festa celebra o Dia da Vitória
soviética sobre agressor nazi há 67 anos

A Rússia comemorou no dia 9, os 67 anos da vitória das tropas soviéticas sobre a Alemanha nazista, com a tomada de Berlim, pondo fim à II Guerra Mundial, na Grande Guerra Pátria. O Desfile pelo Dia da Vitória realizado na Praça Vermelha, em Moscou, reuniu mais de 14 mil militares e 1.500 veteranos de guerra, com a passagem de modernos e equipamentos militares, incluídos mísseis com ogivas nucleares.

“Há 67 anos o nazismo foi derrotado. Era uma força terrível e cínica. E nós não temos o direito de esquecer como ela nasceu, se consolidou, tornando-se cada vez mais descarada aos olhos do mundo inteiro. Não temos direito de esquecer que os bárbaros planejavam eliminar povos inteiros e governar destinos de Estados e continentes”, afirmou Vladimir Putin, investido como presidente da Rússia em 7 de maio.

“Hoje quero enfatizar a necessidade de adesão estrita às normas internacionais, o respeito à soberania nacional e à autodeterminação de cada nação. É isso que nos dá garantia absoluta de que a tragédia da última guerra nunca vai acontecer de novo”, concluiu Putin, sublinhando que seu país possui o direito moral para exigir seu cumprimento.

Houve desfiles militares também nas cidades russas de São Petersburgo, Kaliningrado, Vladivostok e nas regiões dos Urais e Sibéria.

Famílias e veteranos encheram as ruas de Moscou. Na rua Tverskaya e na Praça do Teatro, área próxima ao Teatro Bolshoi, as pessoas entregavam flores aos veteranos.

“Hoje celebramos o Dia da Vitória - disse Gennadi Ziugánov, líder do Partido Comunista da Federação Russa (PCFR), no ato realizado na Praça Lubianskaia, com a presença de mais de 50 mil pessoas. “As hordas de Hitler, em poucos meses, colocaram de joelhos a Europa. O grande exército francês foi quebrado por Hitler em 44 dias. Então, ele disse que em meses escravizaria o país soviético, destruiria a União Soviética e acabaria com o Estado russo para sempre. Mas esses planos delirantes não deram certo. A vitória sobre o fascismo salvou não só a nós, mas o mundo inteiro dessa praga”, destacou.

“O Dia da Vitória é a festa das festas, ela nos lembra que a bandeira vermelha de Lênin, a bandeira da grande Revolução de Outubro, foi hasteada sobre o Reichstag. Ela se apoiou na política econômica de Lenin e no plano de eletrificação. Nós vencemos porque Stalin comandou a industrialização do país e, em poucos anos, construímos 6.000 fábricas. No trágico ano de 1941 estávamos com o melhor tanque T-34, o melhor avião de ataque IL-2, a ‘Katyusha’, entre outras armas”, frisou Ziuganov.

“Vencemos porque nos apoiamos numa revolução cultural, com a criação das melhores escolas científicas e o melhor sistema de ensino”, asseverou Ziugánov, lembrando ainda que “nós vencemos porque não nos dividimos em russos, ucranianos, tártaros, bachkírios – nós éramos o povo soviético unido”.
 

SUSANA SANTOS

 






 


Capa
Página 2

Bancos dizem que apoiam crédito, mas não abrem mão do juro alto

Carta Aberta ao Ministro Ayres Brito - Luis Nassif

Dona da JBS Friboi diz que assume Delta

Ideli diz que Dilma avalia vetos no Código Florestal

Balança do agronegócio tem queda no superávit em abril

Expediente


 

Página 3

Conluio criminoso: a fabricação do probo Demóstenes pela Veja

Gurgel arquivou pedido feito em 2009 para investigar Demóstenes, diz delegado na CPI

Sob pressão, procurador inclui Perillo no inquérito

Protógenes repele manobra da “mídia criminosa”

Parlamentares defendem convocação de Civita 

Unânime, Conselho de Ética inicia processo contra “mosqueteiro”

Dilma: Brasil requer as FFAA bem equipadas para defesa das hidrelétricas e do pré-sal 

 

Página 4

Ruralistas tentam barrar PEC do Trabalho Escravo no Congresso

CNAB realiza homenagem a Luiz Gama na próxima sexta

Presidente da ALRS pede redução do juro da dívida estadual para 2%

Senado aprova Lei Geral da Copa

Marinha realiza com sucesso o teste de motor brasileiro para mísseis Exocet MM40

A farra das CPIs contra o Ecad - TUNINHO GALANTE*

CARTAS

Página 5

 

 

Página 6

Kim Jong Un: “Seguir o legado de Kim Il Sung de socialismo e independência”

Rosanita Campos: "EUA, Europa e Japão submergem no desemprego enquanto a América Latina se desenvolve"

Declaração de Pyongyang destaca a “nova era de progresso e prosperidade”

Página 7 Página 8

O Dom Casmurro de Machado pelo crítico Agripino Grieco