Gurgel ignorou os crimes de Demóstenes-Cachoeira

Em resposta à CPMI, procurador-geral disse que só achou “problemas éticos” na relação criminosa do senador com o contraventor

A explicação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, aos membros da CPMI do Cachoeira, sobre por que engavetou as denúncias contidas no Inquérito nº 042/2008, fruto da Operação Vegas da Polícia Federal, não consegue convencer nem o mais ingênuo dos parlamentares. Ele alega que, após receber o relatório a Operação Vegas, em 15 de setembro de 2009, decidiu pelo sobrestamento (parar, sustar) - leia-se engavetamento - por considerar que as relações do senador Demóstenes Torres com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira, identificadas pelos policiais federais, “não adentravam a seara penal, situando-se, ainda no campo ético”.

Ora. Já faziam parte do relatório da PF vários diálogos extremamente comprometedores envolvendo Demóstenes e Cachoeira, mas Gurgel não viu nada de mais neles. Julguem vocês mesmos, caros leitores, por exemplo, se esse trecho da conversa entre Demóstenes e Cachoeira, colhido pela Operação Vegas em 22 de abril de 2009, não está, como ele diz, adentrado na seara penal. Cachoeira pede a Demóstenes que levante o andamento de um projeto de lei. Chama Demóstenes de “doutor” e fala como se desse uma ordem: “Anota uma lei aí. Você podia dar uma olhada. Ela tá na Câmara: 7.228/2002. PL [projeto de lei]”.

O projeto em questão fora apresentado em 2002. Tratava de assuntos relacionados aos jogos de azar. Assunto de interesse direto da quadrilha de Cachoeira. Demóstenes aceita a missão: “Fala Professor”, diz ele dirigindo-se ao criminoso. “Vou levantar agora e te ligo depois”, respondeu. Decorridos dois dias, Demóstenes informou ao chefe da quadrilha: “Vou mandar o texto procê. O que tá aprovado lá é o seguinte: ‘transforma em crime qualquer jogo que não tenha autorização’. Então, inclusive, te pega, né?”, alertou. “Vou mandar o texto pra você. Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás. Agora a única coisa que tem é criminalização, transforma de contravenção em crime, não regulariza nada”. Cachoeira, parecendo conhecer bem o projeto, responde: “Não, regulariza, sim, uai(...)”.

Considerar uma relação desse tipo, de um senador da República alertando um chefe de quadrilha que ele pode “ser pego”, como situando-se “apenas no campo ético”, sem ter “adentrado na seara penal” é, no mínimo uma piada de mau gosto da parte do procurador-geral. Demóstenes aparece dando um toque para um bandido com a frase “desse jeito eles te pegam” e o procurador não achou nada estranho. Não dá para entender. Se ele achou que não tinha nada de comprometedor nesta fala, tinha que arquivar o processo. Não fez. Se tivesse dúvidas, ele podia pedir novas diligências à PF para esclarecê-las, mas Gurgel pareceu não ter dúvida. Também não pediu isso. Deixou a quadrilha agindo solta por mais de um ano sem investigações.

Mas a coisa não parou por aí. Vejam mais esse outro diálogo bastante suspeito, captado em 4 de abril de 2009, sobre contratos de informática na Infraero. O senador diz a Cachoeira: “O negócio da Infraero, conversei com a pessoa que teve lá. Disse o seguinte: o nosso amigo marcou um encontro com ele em uma padaria, não sei o quê. E levou o ex-presidente [José Carlos Pereira, da Infraero], cê entendeu? E que aí o trem lá não andou nada. Eles nem sabem o que tá acontecendo”. Cachoeira responde que o negócio exige a interferência direta de Demóstenes, sem intermediários: “Mas tem que ser você mesmo. Você que precisava ligar para ele”.

A julgar pelo que disse mais tarde o brigadeiro José Carlos Pereira, ex-presidente da Infraero, Demóstenes seguiu à risca as ordens dadas por Cachoeira. “Houve uma época, durante a CPI [do Caos Aéreo], eu senti que o Demóstenes poderia estar interessado em assuntos muito internos da Infraero, principalmente ligados à área de informática. E eu cortei na raiz. Eram licitações”, lembrou o brigadeiro.

Como se isso não fosse mais do que suficiente para se iniciar imediatamente um processo de investigação no STF, o procurador resolveu inventar uma outra história absurda, de que sua decisão foi tomada para não atrapalhar “a continuidade das investigações”. E que ela se mostrou correta por isso. Só que não havia continuidade de investigação nenhuma em pauta. Ele não pediu para abrir investigação alguma depois que engavetou Vegas. Ficou sentado em cima das denúncias por mais de um ano. Se dependesse apenas de Gurgel, não haveria investigação contra Demóstenes nem contra Cachoeira. Ela surgiu por iniciativa de outras instâncias.

SÉRGIO CRUZ


Capa
Página 2

Mantega declara que 2,7% é “um piso mais do que bom” para o PIB

BC intervém para segurar pequena alta do dólar que dá fôlego à indústria

Produção da indústria de média-alta tecnologia encolhe 7,3% no primeiro trimestre, diz IEDI

Sondagem da CNI aponta para queda do emprego pelo sétimo mês consecutivo

Medidas só atendem “interesses setoriais”, alerta Fecomercio-SP

Para Fiesp, “economia brasileira não se define apenas pelos carros”

Abimaq: incentivos favorecem apenas as grandes empresas

Expediente


 

Página 3

Gurgel ignorou os crimes de Demóstenes-Cachoeira

Quando vazaram os delitos de Demóstenes, procurador tirou a denúncia da gaveta esbaforido

Presidente da CPMI avalia que PF e MP já fizeram as investigações

Relator diz que crescem implicações contra Delta nacional. Situação de Veja é mais complicada ainda

Serra alivia ex-diretor dos 106 apartamentos e culpa Marta

Tolmasquim diz que se Belo Monte não fosse construída a alternativa seriam dezenove usinas poluidoras

Obscuro perito insinua que os áudios da PF não são confiáveis, informa defesa de Demóstenes

Negada indenização a Cabo Anselmo, escória da ditadura 

Página 4

Citricultores brasileiros se tornaram reféns do cartel das multinacionais

PEC que põe fim ao trabalho escravo é aprovada na Câmara dos Deputados

Após infarto, Adib Jatene é submetido a um cateterismo

A interventora do tucano Perillo na Universidade Estadual de Goiás

CARTAS

Página 5

 

 

Página 6

Espanhóis em greve ocupam ruas contra corte de 3 bi na Educação 

Em Mahalla, onde o levante egípcio começou, nasserista Sabahi surge entre os favoritos

Diplomata que abusou sexualmente de meninas é expulso da chancelaria do Irã

Lavrov: EUA quer que governo sírio atenda ao cessar-fogo enquanto arma os provocadores

Venezuela rompe bloqueio dos EUA à Síria e envia navios petroleiros. O primeiro atracou na quarta

Rússia testa com sucesso míssil intercontinental

Israel: apartheid e chantagem nuclear (IV)

Instituto de Física da Rússia: "agora entramos na fase do esfriamento global"

Página 7 Página 8

Lembranças de 1964: o Brasil, o golpe de Estado e a verdade (2)