Agnelo: esse bando se juntou a parte da mídia para me derrubar

Governador do DF afirmou na CPMI que não deu moleza para a gangue de Cachoeira e por isso foi atacado. “Plantaram mentiras e meias verdades” 

   

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), desmontou, durante seu depoimento à CPMI , na quarta-feira (13), a tentativa da quadrilha comandada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira de desestabilizar seu governo. “Os criminosos agiam associados com parte da mídia para me atacar e derrubar meu governo”, denunciou. “O grupo aqui investigado tramou a minha derrubada. A derrubada do governo legitimamente eleito pelo povo do Distrito Federal”, prosseguiu o governador, referindo-se à união de interesses entre Cachoeira, a empreiteira Delta, a oposição tucana e as armações golpistas da revista “Veja”.

“E este grupo não agiu só. Não agiu sozinho Valeu-se das falsas acusações plantadas na imprensa, de vozes com acessos às tribunas políticas do país, da boa-fé das pessoas ao misturar mentiras e meias verdades”, continuou Agnelo, dizendo que estava ali para restabelecer a verdade. O governador questionou os reais motivos de sua convocação. Ou seja, de mais essa tentativa da gangue para desestabilizá-lo. “Tudo com o objetivo de me desgastar, desestabilizar e, por fim, me retirar do governo do DF”. “Meu governo estava impedindo que o crime entrasse, que se fizessem negociações, que tivesse favorecimento, que indicasse gente. Por isso queriam me derrubar”, destacou.

Ele deixou claro que sua convocação à CPI “é fruto da luta política”. “Não há no documento apresentado pelos deputados, meus opositores, nem um único fato que eu tenha praticado em favor do grupo de Carlos Cachoeira ou da empresa Delta”, disse Agnelo. Ele acrescentou que “o governo do DF vem sendo perseguido pelo crime organizado de forma constante e orquestrada”. Segundo Agnelo, a mídia que desinformou a população do DF não disse que a Delta tem apenas um contrato com o governo. O de coleta de lixo e varrição de ruas em duas partes do DF. “Sendo que esse contrato foi assinado no governo anterior”, explicou. “E ainda assim a mando da Justiça”.

Denunciando a campanha orquestrada contra ele, Agnelo disse que parte da mídia cobrava explicação sobre um ofício que teria sido assinado por ele para favorecer a Delta antes da posse. O ofício era dirigido ao então governador Rogério Rosso, pedindo para prorrogar serviços essenciais que vencessem no final de 2010 e janeiro de 2011, como medicamentos essenciais, coleta de lixo, varrição de ruas, programas sociais, etc, para não prejudicar os moradores da cidade. “Esse ofício não incluía a Delta, que tinha um contrato com vencimento em 2015”, desmascarou o governador.


“Há três hipóteses para explicar que alguém, baseado nesse ofício, afirmasse que eu beneficiei a Delta: a primeira é que não leu o documento. A segunda é que leu e não entendeu. E a terceira é que leu, entendeu, e movido por interesses partidários resolveu me atacar de forma leviana”, acrescentou. “Tratou-se de uma ação meticulosa e planejada. O objetivo era desgastar a imagem do governador até o limite do impossível”, denunciou.

Referindo-se principalmente à revista Veja, Agnelo disse que setores da mídia passaram a divulgar que ele tinha nomeado uma série de pessoas ligadas a Cachoeira em “cargos chaves” no governo. O governador garantiu que não há um nome sequer que tenha sido nomeado por indicação de Cachoeira. Um jornal, segundo ele, chegou a publicar o seguinte trecho das escutas da PF: “os caras nomearam só inimigos da Delta. O que esse povo me ajudou até hoje? Ninguém nomeou nem um gari”. “Essa frase, senhores deputados e senadores, foi gravada no dia 30 de março de 2011 e foi pronunciada pelo senhor Idalberto Matias. Mesmo assim, um jornal dava como manchete: ‘governo Agnelo negociou propina com empresa, diz PF’”.

O governador informou que a Delta entrou no DF em 2007, no governo Arruda. “Entrou com um preço mais baixo”, disse. “Segundo dados da licitação, preços 30% mais baratos do que as concorrentes”. “A empresa foi desclassificada por irregularidades na documentação. Decisão judicial obrigou o SLU a assinar contrato com a Delta. Num governo ‘amigo’, que permitisse ao grupo controlar a fiscalização, a empresa poderia lucrar mesmo com o preço mais baixo”, explicou Agnelo. “Mas”, prosseguiu, “o governo eleito não era e nunca foi amigo da Delta”.

Ele disse que apenas 26 dias após a posse determinou que a Secretaria de Transparência do DF fizesse uma auditoria profunda nas áreas com graves problemas deixados por administrações passadas. Um dessas áreas era o lixo. Os trabalhos dessa auditoria se prolongaram até maio de 2011. A auditoria detectou que o serviço de varrição e coleta de lixo era feita pela metade. “Endurecemos a fiscalização”.

SÉRGIO CRUZ
 


Capa
Página 2

IBGE: emprego industrial paulista acumula queda de 3,2% até abril

Aneel defende concessionárias no assalto de 7 bilhões cobrados a mais nas contas de luz 

Estrangeiras Telefónica e Telmex/AT&T levam a maioria dos lotes do leilão 4G   

Teles estabeleceram um cômodo cartel

Expediente

 

 

 

 
 


 

Página 3

Agnelo: esse bando se juntou a parte da mídia para me derrubar

“Hoje entendo porque Demóstenes Torres pediu o meu impeachment”

Explicações de Perillo não convencem CPI e venda da casa continua estranha

Reduzir o custo de capital no país é reduzir juros, afirmou a presidenta

Gurgel anuncia pedidos de inquéritos para constranger Agnelo no dia do depoimento

Senador ficha-suja boliviano é contemplado com asilo no país 

Desembargador dá voto que pode livrar Carlinhos Cachoeira da prisão

Página 4

Cartel da TV paga tenta calotear os direitos autorais dos músicos

Assembleia do RS aprova criação da estatal Empresa Gaúcha de Rodovias

Promotoria afirma que ação da PM de São Paulo na Cracolândia foi “inútil, inoportuna e desastrosa”

Camelôs paulistanos expõe sua indignação com prefeito de SP: “Kassab não gosta de pobre”

CARTAS

Página 5

 

 

Página 6

Mentiras de mercenários são ‘fonte’ do ‘informe’ sobre crianças sírias

Lavrov: Rússia ajuda a defesa da Síria enquanto que Washington dá armas a bandos sabotadores

Ex-presidente da Associação Síria de Futebol é morto por terroristas

Ministro do Interior de Israel inicia expulsão de negros sudaneses: "Essa terra pertence ao homem branco"

Corte dá golpe, aprova candidato ilegal e dissolve parlamento egípcio

Governador quer impor inglês em Porto Rico

Venezuelano assume Unasul chamando à luta contra desemprego e pobreza

Página 7 Página 8

“Cantiga de esponsais”- Machado de Assis