Greve para mais de 30 categorias e servidores enviam carta à Dilma 

Servidores de seis Ministérios também se somaram à greve nacional, que teve a adesão dos rodoviários federais do Rio e Janeiro, CNEN e Área Ambiental 

Nesta terça-feira, 22 entidades de servidores federais – Delegados e Peritos Federais, Auditores da Receita Federal e do Trabalho, Relações Exteriores e Oficiais da Inteligência, Ciclo de Gestão e Núcleo Financeiro do Estado, Advocacia e Defensoria Públicas e Agências Reguladoras – enviaram uma carta conjunta à presidenta Dilma Rousseff, solicitando audiência.

“A situação se agrava e é crescente a insatisfação nas categorias, pois passados 3 (três) anos do último reajuste a essas carreiras e de retomada das negociações, hoje tampouco o Governo Federal se manifesta objetivamente em relação a prazos, calendários ou propostas de recomposição salarial e, ainda, deixa de assumir o compromisso com o encerramento das negociações e, curso bem antes do prazo final para encerramento da Lei Orçamentária de 2013”, afirma o documento.

Diversas categorias do funcionalismo público já aderiram à greve nacional por reajuste salarial. Conforme a Condsef, as 31 categorias da sua base estão em greve. Além desses, servidores de seis ministérios também se somaram às paralisações: Saúde, Previdência, Trabalho, Justiça, Relações Exteriores e Desenvolvimento Agrário (MDA).

Em outros órgãos, o movimento também ganha força. No Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a greve já atinge um terço das superintendências. De acordo com Reginaldo Marcos Aguiar, dirigente da Confederação, até a próxima terça-feira outras superintendências também devem aderir à paralisação. “As assembleias ainda estão acontecendo nos Estados. Nossa expectativa é fazer a greve chegar a 70% ou até 90% dos locais de trabalho na próxima semana”, disse. “Hoje, a greve já atinge regiões que concentram mais da metade dos assentados no País.”

Nesta terça-feira, o Rio de Janeiro ampliou o movimento com paralisações na Polícia Rodoviária Federal, CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) e Área Ambiental. A partir desta quinta, 21, a Condsef deve instalar o Comando Nacional de Greve que vai acompanhar os movimentos grevistas nos estados. No Amazonas, os servidores públicos federais decidiram pela greve geral por tempo indeterminado durante assembleia pública realizada na tarde desta quarta-feira.

Nesta quarta-feira, a Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal), junto a outras 30 entidades nacionais, participou de uma manifestação que reuniu cerca de 50 mil pessoas no Rio de Janeiro. O protesto ocorreu durante a Rio+20 e, segundo a entidade, a meta foi mostrar ao governo a insatisfação crescente da população brasileira com a forma com que as questões e problemas sociais, como o salário dos servidores e o plano de carreira, vêm sendo preteridos para priorizar o superávit primário e o pagamento de juros.

Entre 2011 e 2012 o governo concedeu a empresários, em isenção fiscal, aproximadamente R$ 155 bilhões. No mesmo período, cortou das áreas sociais mais de R$ 105 bi, afirmam lideranças sindicais. “A metade do orçamento federal é usado para o pagamento juros, enquanto isso, faltam recursos para manter, com qualidade, os hospitais e a educação pública”, denunciou o 1º vice-presidente do ANDES-SN, Luiz Henrique Schuch. 

Entidades dos professores lançam manifesto em ato na Câmara Federal 

A greve dos servidores se soma ao movimento de greve iniciado no dia 17 de maio pelos professores universitários. Após o governo cancelar a reunião que havia sido marcada para a terça-feira passada (19), mais duas universidades, a federal de Minas Gerais e do Mato Grosso do Sul, aderiram à greve.

Na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) a greve foi votada em assembleia realizada na manhã desta terça-feira (19). Na UFMS a paralisação cobre os campi de Campo Grande, Aquidauana, Bonito, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Naviraí, Nova Andradi-na, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas. Somam assim 56 instituições federais de ensino em greve.

O governo alegou que não há condições de organizar uma reunião com toda a equipe do governo para discutir as propostas e seus impactos financeiros para 2013, porém as negociações com os professores ocorrem desde o ano passado.

Frente à intransigência, as entidades da educação federal ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica) e Fasubra (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras) se reuniram na tarde de quarta-feira na Câmara dos Deputados para um ato conjunto e aproveitaram a ocasião para lançar o “Manifesto à População”, que visa explicar à população os motivos da greve e da mobilização.

Durante o ato na Câmara foi constituída uma coordenação nacional entre os Comandos de Greve da Educação e firmado compromisso de articular uma agenda comum de atividades, já definindo que na próxima quinta-feira (28), as entidades realizam atos em frente aos prédios do Banco Central nas capitais.


Capa
Página 2

Governo destina US$ 10 bilhões para salvar bancos estrangeiros

Aepet apoia expansão do Terminal de Ilha Grande 

Com lucros danosos, múltis da linha branca defendem eterna isenção de impostos   

Setor eletroeletrônico acelera importação de componentes

Taxa de desocupação mantém-se estável, diz IBGE   

Expediente
 

 

 
 


 

Página 3

Demóstenes viajou 2 vezes com Cachoeira para os EUA

CPI chama assessor que fez serviço para Perillo e foi pago por Cachoeira

Juiz manda soltar outro comparsa de Cachoeira

Desenvolvimento sustentável implica em crescer, gerar empregos e distribuir renda, afirmou Dilma

50 mil repudiam prioridade para bancos e cobram crescimento, distribuição de renda e emprego 

Haddad diz que foi surpreendido com decisão de Erundina

Serristas tentam manobra na convenção devido aos ânimos acirrados dentro do PSDB

Página 4

UMES de São Paulo realiza seu 20° Congresso no Clube Banespa e convoca os estudantes: “Por uma escola capaz de ensinar, que exercite e avalie os alunos”

“Não queremos mais quatro anos de omissão, abandono e descaso”, afirmou Miguel Manso

Entidades sindicais saúdam estudantes

PT mantém decisão sobre candidatura de Humberto Costa à Prefeitura de Recife

Paulo Bernardo faz coro com monopólios e defende mudança de horários de “A Voz do Brasil”

STJ estende suspensão de cobrança de royalties da múlti Monsanto a agricultores de todo o país

CARTAS

Página 5

 

 

Página 6

Egípcios ocupam a Praça Tahrir contra golpe de mubarakistas

Estudantes chilenos exigem o fim da privatização do ensino público

Daily Telegraph: Obama acompanha a entrega de armamentos a grupos de sabotadores sírios

Editor da BBC sobre Houla: "rede só noticiou a propaganda da oposição"

NYT afirma que a CIA arma e treina ‘rebeldes’ na Síria

A Nigéria e as multinacionais petroleiras

G-20: Cameron foge de Cristina Kirchner e de resoluções da ONU

Página 7 Página 8

O zurro desnacionalizante (2)