Guerrilha líbia abate em Benghazi
o agente norte-americano Stevens

Em abril de 2011, foi enviado por Washington a Benghazi para dirigir as operações com os mercenários. Morto Kadafi, virou embaixador

O embaixador dos EUA na Líbia, Christopher Stevens, foi morto em ataque da Resistência ao consulado de Benghazi na noite de terça-feira, com lança-granadas, Kalachnikovs e morteiros, que incendiou o prédio e um anexo, e que durou mais de quatro horas. O vice-ministro do Interior do governo fantoche, Wannis Al Sharif, acusou “remanescentes do antigo regime” pelo ataque. Foram mortos ainda, a tiros no local, um agente da CIA e dois marines, e há uma dezena de norte-americanos feridos. No tiroteio, foram abatidos ainda 10 fantoches que defendiam o local junto com os ianques. O número de baixas pode aumentar.

Os EUA estão colhendo o que plantaram. Foi Stevens que foi enviado em abril de 2011 a Benghazi para dirigir as operações com os mercenários na Líbia, comportamento típico de agente da CIA e não de diplomata. Seguramente, era também a ele que Hillary se dirigiu ao convocar em Trípoli o assassinato do líder líbio Muamar Kadafi, cometido dois dias depois. O presidente teve o comboio bombardeado, foi capturado, linchado, esfaqueado pelas costas e morto à queima roupa. Stevens tornou-se depois o procônsul de Washington no país africano.

Fontes dos EUA classificaram o ataque de “complexo”, com os guerrilheiros aproveitando uma manifestação contra um filme feito nos EUA raivosamente anti-muçulmano, para se aproximarem do consulado. O ataque teve início às 22 horas, e o prédio principal foi incendiado. Em algum momento, Stevens em fuga se separou dos demais. Ainda não se conhecem detalhes sobre a morte dele, com relatos divergentes de que teria morrido por inalação de fumaça negra ou de que teria sido baleado no carro quando tentava escapar. Ao certo, sabe-se que seu cadáver foi entregue aos norte-americanos no aeroporto de Benghazi.

De acordo com o jornal francês “Le Monde”, uma unidade norte-americana com oito homens enviada de Trípoli de helicóptero para socorrer o consulado caiu numa emboscada ao chegar ao aeroporto de Benghazi. Conforme o capitão fantoche Fathi Al Obeidi, e que recebeu a ordem de se juntar aos norte-americanos, “os tiros de morteiro com que fomos alvejados eram precisos demais para provirem de revolucionários ordinários”, isto é, de fantoches comuns. Afirmação que reforça tratar-se de pessoal militar, “remanescentes de Kadafi”. Dos oito marines vindos de Trípoli, um foi morto e dois ficaram feridos.

CONSULADO SOB FOGO

Por mais de duas horas a guerrilha manteve sob fogo os norte-americanos abrigados num prédio anexo ao incendiado consulado. Apenas às duas horas da madrugada, com a chegada dos reforços e de dezenas de veículos das milícias pró-EUA foi possível proceder à evacuação dos norte-americanos, à custa de mais baixas. Os atacantes se retiraram em segurança.

Como diz a sabedoria popular, quem com ferro fere, com ferro será ferido. Na Casa Branca, um consternado Obama prometeu “justiça”, isto é, vingança, e enviou 50 marines e dois navios de guerra até a Líbia. Madame Clinton mostrava-se espantada de tudo ter acontecido “exatamente em Benghazi”, a base de operações dos norte-americanos. Rapidamente foi posta de lado a declaração do ministro fantoche de que se tratava de ataque da Resistência, e foi escolhido um inimigo mais interessante eleitoralmente, e mais vago, a Al Qaeda.


 

                                                                        
ANTONIO PIMENTA

 


 

 

 

 

 
                                                                                         

                                                                                            
                                                                                                
                                                                                         

                                                                                         






                                                                                             






 



 


.


 



 

 

                      

 


Capa
Página 2

Energia: o Brasil precisa se livrar da privatização tucana

Emprego industrial no país recua 1,3%

Amorim: “Defesa não pode ser delegada a terceiros, sob pena de abdicarmos de nossa independência”

Embaixador dos EUA se diz “perplexo” com aumento da alíquota de importação

CADE chancela monopólio da Oi na área rural

Avanço de importados prejudica produção de materiais de construção

Expediente

Página 3

Vazamentos da Chevron foram graves, adverte ministro do STJ

Juiz do caso criticou a atuação negligente do Ibama e da ANP

Barbosa despeja mais insultos contra colegas no STF

Ana de Hollanda deixa o Ministério da Cultura e recebe elogios de artistas pelo trabalho realizado

Serra imbatível: 46% de rejeição segundo o Datafolha 

Serra volta a roubar de Jamil Haddad, ministro de Itamar, a autoria da criação dos genéricos  

Celso Russomano estuda processar campanha serrista por criar cartilha caluniosa

Página 4

Privatização da Saúde é tema de debate entre candidatos em SP

Trens importados da “Metrô-Rio” sofrem nova falha

Professor é covardemente executado por membros da Polícia Civil em S. Paulo

Club Homs sedia debate sobre os 30 anos do massacre de palestinos em Sabra e Chatila

CARTAS

Página 5

 

 

Página 6

França: CGT convoca ruptura com o estelionato eleitoral de Hollande

Hugo Chávez ressaltou "longo caminho da Venezuela para se distanciar da guerra civil"

Trabalhadores ocupam Atenas contra arrocho. Centrais convocam greve geral para o dia 26

Catalães tomam as ruas de Barcelona para se livrarem da torquês imposta por Rajoy às regiões autônomas

Democracia americana: jovens porto-riquenhos são detidos ao retornarem de viagem à Venezuela

Foxconn usa estudantes sob ameaça para produzir iPhone

Exército barra mercenários que tentam reentrar em Alepo

Paraguai: 30 mil professores em greve

Página 7

Guerrilha líbia abate em Benghazi o agente norte-americano Stevens

Egípcios indignados com agressão à sua religião rasgam bandeira dos EUA

Professores de Chicago destravam negociação pela unidade da greve

Chilenos reverenciam memória de Allende no aniversário do golpe dos EUA/Pinochet

Presidentes da China e da Indonésia fazem reunião e defendem “cooperação estratégica”

Lições da História

Em crise, múlti HP eleva demissões para 29 mil

 

Página 8

Os escritos e pronunciamentos econômicos de Getúlio Vargas (3)