Múltis dos EUA compram 37 de 80 empresas desnacionalizadas

Somente no terceiro trimestre deste ano

Na edição anterior, abordamos o número recorde de empresas desnacionalizadas (247) entre janeiro e setembro deste ano, superando a quantidade de empresas adquiridas por capital estrangeiro em todo o ano de 2011, quando foram desnacionalizadas 208 empresas – e também nos demais anos, desde 2004, quando a consultoria KPMG começou a fazer a “Pesquisa de Fusões e Aquisições” no Brasil.

Agora, acrescentamos mais um dado essencial: um número expressivo de empresas nacionais foi adquirido por multinacionais norte-americanas. Somente no terceiro trimestre, de um total de 80 empresas desnacionalizadas, quase metade (37) passou ao controle de monopólios dos EUA, superando de longe as que foram adquiridas por conglomerados originários da Inglaterra (8), França (6), Alemanha (5), Espanha (5), entre outros.

Após a explosão da crise em setembro de 2008, os EUA inundaram o mundo com as superemissões de dólares (Quantitative Easing 1 e 2). Apenas com o QE2, em 2010, foram emitidos US$ 600 bilhões, transferidos aos monopólios, não apenas para especular, mas também para aquisição de empresas. E o FED já prepara nova inundação de dólares no planeta, o Quantitative Easing 3, conforme a ata da reunião de agosto.

Segundo Patrice Etlin, sócio para a América Latina da Advent International, empresa norte-americana de private equity, “há hoje, caçando transações no Brasil, cerca de US$ 11 bilhões”. Certamente, é um valor subestimado – somente no caso da Amil, açambarcada pela norte-americana UnitedHealth Group, foram envolvidos cerca de US$ 5 bilhões -, mas que não anula o seu significado: o apetite voraz sobre as nossas empresas.

A primeira implicação dessa desnacionalização da economia é a desindustrialização e, consequentemente, a estagnação econômica - não há desenvolvimento sustentado, para usar uma palavra tão ao gosto da equipe econômica, se não for baseado na indústria.
Na medida em que setores são dominados pelas multinacionais, a cadeia produtiva, isto é, a indústria de componentes e bens intermediários, vai sendo dizimada. Então, o que antes era fabricado no país pela indústria nacional passa a ser importado.

Um entusiasta do comércio do Brasil com os Estados Unidos, Welber Barral, que vem a ser o presidente da Coalizão de Indústrias Brasileiras, declarou recentemente: “Precisamos estimular as exportações para os EUA promovendo investimentos americanos aqui. Hoje, 40% do comércio é intrafirmas”. Por “comércio intrafirmas”, leia-se comércio entre a matriz das multinacionais e as filiais instaladas no Brasil. É o que o Banco Central registra como empréstimos intercompanhias, como uma das modalidades de ingresso de investimentos estrangeiros diretos (IED).

E assim, a desindustrialização resultante da desnacionalização fez despencar para 14,6% a participação da indústria na formação do Produto Interno Bruto (PIB), uma regressão ao patamar de 1950, ou melhor, inferior àquele período (19,3%).

Outra decorrência da desnacionalização, além do crescimento das importações, há um crescimento vertiginoso das remessas de lucros, principalmente em períodos de crise, como acontece desde 2008 nos Estados Unidos, mas que se estende pela Europa e Japão.

Não é à toa o rombo das contas externas, chamada de transações correntes (balança comercial, serviços e rendas e transferências unilaterais). O problema é que com o deserto de ideias vigente no Ministério da Fazenda, a política usada é a de suar o ingresso de IED para cobrir o déficit nas contas externas, o que significa querer apagar o fogo com gasolina: mais entrada de IED resulta em mais desnacionalização. Portanto, mais importação, mais remessa de lucro e mais rombo nas transações correntes, num círculo vicioso sem fim.

Transferir para o exterior as decisões sobre os rumos da nossa economia implica em abrir mão de qualquer projeto de desenvolvimento nacional. A presidente Dilma tem se esforçado para a redução das taxas de juros, que vem ocorrendo desde agosto de 2011. Contudo, a economia continua patinando por conta da desnacionalização e da desindustrialização. Sem uma política industrial digna do nome, o governo tem se limitado a desonerações, o que não resolve o problema do crescimento e até o ministro Mantega já admite que o PIB este ano não chega a 2%, inferior ao do ano passado.

VALDO ALBUQUERQUE

 


Capa
Página 2
Página 3

Agressões de Serra se voltam contra ele e ampliam rejeição

Haddad responde a Serra e diz que vai continuar terceirização da saúde se eleito

Fruet não é confiável, diz Ratinho Júnior

Esquema criminoso de Cachoeira movimentou R$ 84 bilhões em 10 anos, revela relator da CPI

Dilma veta nove itens que os desmatadores contrabandearam na MP do Código Florestal

Para avançar a integração latino-americana, Lula se reúne com Cristina Kirchner  

Senador João Costa estreia elegendo ações de estímulo ao crescimento e à geração de empregos como prioridade

Barbosa absolve, dorme mal e 24 horas depois condena  

Página 4

Desoneração causa redução de 30% no Fundo dos Municípios

Múlti Monsanto desiste de cobrar royalties por soja de agricultores após uma nova derrota na justiça

Metrô tem nova pane e fumaça toma conta de estações em SP

CARTAS

Página 5 Página 6

Arrocho que visa destinar 13,5 bi de euros aos bancos para Grécia

Espanha: estudantes nas ruas do país contra custos da educação

Eva Golinger: “Participação social é a marca do governo de Hugo Chávez

Negociação de paz entre governo da Colômbia e FARC tem início em Oslo

Paraguai: senadores querem impeachment de Frauderico

Agentes da CIA abatidos por guerrilheiros afegãos

Página 7

Obama já matou com drones 400% mais paquistaneses que W. Bush

Obama e Romney se digladiam para ver quem mente mais ao povo norte-americano

Trabalhadores da Imprensa da Argentina repudiam “lobby da mentira” da SIP em favor do grupo Clarín

Censo dos EUA informa que a insegurança alimentar atinge 50 milhões de americanos

Islândia nacionaliza bancos, mantém direitos e sai da crise

Cuba atualiza sua política migratória

Página 8

A escalada dos EUA no Afeganistão leva à agonia das hordas invasoras