Antes urgente, julgamento do STF é suspenso com viagem do relator

Barbosa zarpou para a Alemanha. Mas ministro cumpriu o script: condenou Dirceu e Genoino antes da eleição 

Aos meses de fuzarca, de repente, substituiu o silêncio no STF.

O que houve para vir, sem aviso, essa súbita paz? Onde está o intimorato Barbosa e os outros (cáspite!) mosqueteiros? Será que, como em Varsóvia no século XIX, reina a paz por falta de sobreviventes? Mas, estranhamente, ninguém morreu, nenhum vampiro foi transpassa-do por uma estaca, e também não se moveu do lugar a estátua que Ceschiatti fez da Justiça – continua ela onde sempre esteve: do lado de fora do prédio do STF, na Praça dos Três Poderes.

Assim, onde estão aqueles apressados que queriam condenar – e condenaram - dirigentes políticos a toque de caixa, sem outra razão que não seja a perseguição política? Aqueles que nem queriam dar o devido tempo ao revisor para apresentar o seu parecer, onde estão? Que não queriam esperar ou gastar tempo com os procedimentos formais que caracterizam a Justiça brasileira há mais de 100 anos, cadê eles? Aqueles mesmos que não podiam esperar 45 dias – tempo da campanha eleitoral – para dar sua sentença: onde estão? Sim, onde foram aqueles que, para condenar, dispensaram, em poucas semanas, as provas, o in dubio pro reo, e, por falar no Direito Romano, antes de tudo, passaram por cima do princípio de que "onde não existe justiça não pode haver direito" (ubi non est justitia, ibi non potest esse jus)?

Onde estão? Não há fumaça, aqui, que anuncie o bom direito (fumus boni juris). Pelo contrário, aqui, se há fumaça, é porque o bom direito foi torrado no forno.

Bastou as eleições encerrarem as apurações, que não há mais pressa entre os apressados do STF. Alguns já preveem que o processo vá durar mais uns três meses, outros nem se arriscam a uma aposta – ou prognóstico. E todos falam que é preciso que o relator volte, ou que ele vai voltar logo, para que se termine com o negócio. Naturalmente, o problema não é se o relator vai levar pouco ou muito tempo para voltar, mas o fato dele sumir do tribunal nesse processo, sem que ninguém sinta que há qualquer anormalidade nesse sumiço. Imaginemos algo sério – por exemplo, em Nuremberg, se um juiz soviético ou norte-americano, sem substitutos, resolvesse sumir por uma semana. Estaria criado um charivari capaz de derrubar o resto do Reichstag, se é que deste ainda havia algo em pé.

Mas, na Ação Penal nº 470, o relator pode sumir sem problemas – contanto que seja depois das eleições. Simplesmente, não há nada sério nesse suposto julgamento, exceto a condenação de inocentes, o atentado à democracia, ao Direito, em suma, à liberdade.

E onde está o relator?

O relator Barbosa está em Düsseldorf, na Alemanha (foi só a gente falar em vampiro...), cidade que hoje tem péssima fama quanto ao gosto musical e que não é mais a sede da indústria do aço alemã – dos Krupp, Thyssen e outros bandidos -, mas um centro financeiro tentacular - dos Krupp, Thyssen e os outros mesmos bandidos.

Os fanáticos pela poesia vão lembrar que Heine nasceu nessa cidade – mas isso foi há muito tempo, um pouco antes de Napoleão conquistá-la, quando um sujeito nascido judeu podia se tornar um grande poeta alemão e escrever que sua cidade era muito bonita, desde que lembrada de longe.

Porém, Barbosa, que não é dado a essas frivolidades (poesia?), foi lá para tratar das vértebras, que, segundo garantiu, estão em péssimo estado, depois de sua atuação como relator da Ação Penal nº 470. Só em Düsseldorf, certamente, existe um médico capaz de cuidar da coluna de sua excelência.

Naturalmente, estão faltando ortopedistas no Brasil. Por isso, o relator foi para a Alemanha com o espinhaço em pandarecos. Não podia confiar seus costados a um brasileiro. Tinha que ser a um alemão. Deve ser por via ortopédica que ele absorveu a teoria do domínio do fato e outras curiosidades nazistas que permitem, mesmo sem provas, condenar os réus que a mídia e os golpistas que seguem a mídia querem condenar.

Já dizia o velho lente da ortopedia nacional, o inesquecível professor Dagmar Aderaldo Chaves, de quem o autor destas linhas foi aluno, que certas posturas causam muitos problemas para a coluna. Com efeito, mas o professor, apesar de catedrático de quatro faculdades de medicina, era cearense de Mombaça.

O relator Barbosa não podia confiar a coluna a um discípulo do grande Dagmar. Sabe-se lá, era capaz de aparecer outro cearense... Portanto, arrumou um alemão que descobriu na Internet – e que se diz ex-médico do papa, como se Sua Santidade precisasse de médicos milagrosos, logo ele, que é administrador desse condomínio aqui na terra.

Entretanto, leitores, a questão é: por que a coluna do relator Barbosa aguentou até agora, impavidamente? Se a situação era tão ruim e ele queria se submeter ao tratamento alemão, por que não foi antes, e começou o processo depois? Que diferença fazia?

Pelo jeito, apenas uma.

Quer dizer que, passada a eleição, o processo pode demorar à vontade? Se a questão era tão urgente que quase causou uma briga com outros colegas, por que agora deixou de ser urgente - exceto porque a eleição já passou? O relator, naturalmente, podia recorrer a um especialista daqui mesmo (e há muitos que são ótimos), ou, se fosse de sua preferência, usar um analgésico, uma pomada, ou mesmo o tradicional emplastro Sabiá – e, ainda, tomar o infalível chá de sucupira, que é tiro e queda para dores de coluna. Mas ele nem piscou para deixar o processo inconcluso e viajar para a Alemanha. Ora, a urgência do processo...

Os leitores certamente convirão que há poucas coisas que apontem tanto para os incon-fessáveis interesses que presidiram (e relataram...) as condenações de José Dirceu e José Genoino, quanto essa súbita, apesar de breve, incursão pós-eleitoral de Barbosa pelas margens do Reno. Quando se perde até o senso das conveniências, é porque a verdade, apesar de todas as tentativas de sepultamento, permanece viva e batendo como um coração denunciador, além da vontade dos - e em desafio - aos seus coveiros. E nem falemos no desrespeito ao povo, porque, realmente, parece escárnio e deboche.

CARLOS LOPES


Capa
Página 2
Página 3

Antes urgente, julgamento do STF é suspenso com viagem do relator

CPMI do Cachoeira prorrogada: Falta agora convocar o depoimento do diretor de Veja  

Líder do PT diz que proposta do governo de 100% dos royalties do petróleo para Educação deixou todos “em estado de choque”

Presidenta Dilma recebeu prefeitos eleitos de São Paulo e de Goiânia

Governo vai abrandar exigência no edital do trem-bala para contemplar estrangeiros

Empresários e funcionários condenam uso do Inpi para lobby das múltis por patentes 

Prefeitos de Alagoas e Mato Grosso do Sul se mobilizam contra as perdas de recursos

Página 4

Lista com nomes de 40 policiais foi encontrada junto a membro da facção: Secretário de Segurança admite ação do PCC em mortes de PMs

“Falha humana” não explica 65 apagões em um ano

Imigrantes haitianos passam fome em alojamento no Acre

“Memórias - No Transcurso do Século” do líder norte-coreano Kim Il Sung é lançado em Recife

CARTAS

Página 5 Página 6

Portugal: trabalhadores nas ruas para deter o arrocho pró-bancos

Lisboa: partidos europeus se reunem para debater ação continental contra o arrocho

Cresce o desemprego na zona do euro

Central grega convoca nova greve geral para início de novembro contra cortes de Samarás

Multidão repudia ditadura turca durante visita do premiê a Berlim

O bombardeio de Israel contra fábrica do Sudão

Exército sírio abate terroristas em Zamalda, Hama e Dir Ezzor

Khan, líder paquistanês da luta contra os drones é detido para interrogatório ao viajar aos EUA

Página 7

Obama institucionaliza lista de assassinatos por drones

EUA provoca com suas bombas epidemia de defeitos congênitos em cidades do Iraque

Nova Iorque enfrenta apagão e caos nos transportes após a passagem do Sandy

GM anuncia demissão de 2,6 mil operários na europa

Burger King tem queda de 83% nos lucros

Microsoft é processada por violar patente da SurfCast no lançamento do Windows 8

Argentina: Lei de Meios ou Lei de Medos? (1)

Página 8

A desnacionalização acelerada de terras no Brasil a partir de 2008 (1)