Greve nacional na Colômbia tem primeiras vitórias

A Greve Nacional colombiana iniciada no dia 19 de agosto, contra a deterioração das condições de comercialização dos produtos do campo agravada pela entrada livre das importações, via Tratado de Livre Comercio com os EUA, segue por prazo indeterminado.

Outros setores aderiram ao movimento até que o governo de Juan Manuel Santos aceite negociar a pauta de reivindicações dos setores da produção nacional atacados pelo tratado. Desde sua implementação, o TLC debilitou áreas essenciais além do desastre com a privatização da saúde, educação, e do abastecimento de água e eletricidade. O país passou a importar produtos básicos como milho, arroz, leite, carnes, entre outros.

A greve paralisou o país, ao passo que o governo de Santos militarizou todas as regiões onde as mobilizações foram mais intensas, e na capital Bogotá, disponibilizou 50 mil soldados para barrar as mobilizações. Somente na capital, o saldo foi de dois mortos e 147 feridos.

Mas a pressão dos grevistas já obtém resultados. No dia 2 de setembro o governo assinou os primeiros acordos nos departamentos de Nariño e Boyacá, o que permitiu o desbloqueio de algumas vias. Em Nariño, o governo assinou a compra de 40 mil litros de leite diários, e medidas de proteção à batata, cebola, ervilha, tomate, queijos frescos, entre outros. Já os demais departamentos, junto aos estudantes, caminhoneiros, e aos trabalhadores da saúde sinalizaram que se forem atendidas as exigências vão reduzir os bloqueios, e solicitaram uma ampla negociação com o governo onde todos os setores estejam representados.

Ainda no dia 2 de setembro, todo o corpo de ministros apresentou a sua renúncia ao presidente Juan Santos, em decorrência da grande crise inaugurada pela Greve Nacional.

GABRIEL CRUZ


Capa
Página 2
Página 3

Dilma foi espionada pelos EUA, revelam documentos

Leilão de Libra: um crime contra o desenvolvimento, a soberania nacional e as condições de trabalho (FUP)

FUP convoca ato contra o leilão de Libra no pré-sal

STF mantém injustiça e condenação de Dirceu

Cabral diz que não há definição sobre sua saída do governo

Donadon: Alves diz que vai pedir urgência ao Supremo

Globo: a defesa do apoio ao golpe e à ditadura

Fuga de Molina da embaixada brasileira foi um fato grave, reitera Dilma para Evo

Página 4 Página 5 Página 6

Mexicanos rechaçam a privatização da Pemex

   Central dos servidores gregos convoca greve nacional contra demissões para atender Troika

Greve nacional na Colômbia tem primeiras vitórias

Centrais marcam greve contra aumento do tempo de contribuição para aposentadoria

PIB da Espanha tem recuo pelo oitavo trimestre

Tribunal Constitucional de Portugal rejeita lei que facilita demissões em massa no país

Provocações EUA/Coreia do Sul sabotam esforços de paz

Página 7 Página 8

O baixo investimento e o massacre da indústria nacional de bens de capital