Boi, porco e frango sobem 25% em um ano e consumo cai 20%. Não é na Venezuela

MAURO SANTAYANA

Para alimentar sua população, e afastar o risco de uma crise de abastecimento, México pede que Brasil e Argentina forneçam 300 mil toneladas de frango.

Para alimentar sua população, e afastar o risco de uma crise de abastecimento, governo mexicano pede que Brasil e Argentina forneçam, em caráter de emergência, 300.000 toneladas de frango.

É de dar pena. Mas, para infelicidade de seu próprio povo, o modelo neoliberal mexicano continua fazendo água por todos os lados.

Empresa menos rentável da América Latina no ano passado, segundo o site especializado Latinvex, a PEMEX teve, em 2013, o maior prejuízo de sua história, da ordem de mais de 12 bilhões de dólares – e ele já passa de U$ 2,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Enquanto isso, com todos os seus problemas, a Petrobrás - eleita no mesmo ranking a empresa mais rentável do continente latino-americano em 2013- lucrou, no mesmo período, mais de U$ 10 bilhões.

O conteúdo local dos produtos mandados para o exterior, pelos cinco principais setores exportadores mexicanos, segundo a revista local Paradigma, não chega a 60%, contra 90% no Brasil e na China.

Segundo a OCDE, quatro em cada 10 mexicanos não recebem um salário que dê para comprar uma cesta básica.

No país mais desigual das Américas, junto com o Chile, não existe seguro desemprego, e 60% da população ativa está na informalidade.

Agora, para ilustrar melhor o que verdadeiramente está ocorrendo por lá, o site especializado em proteína animal www.eurocarne.com, citando a associação de importadores de carnes do México, acaba de divulgar que houve um aumento de 25% no preço da carne de frango, boi e porco – o suíno, por exemplo, passou de 30 para 48 pesos o quilo - no mercado mexicano, nos últimos meses, devido ao crescimento dos custos de produção nos EUA, seu principal fornecedor de alimentos.

Com isso, o consumo de proteínas no país de Zapata, com mais de 50% da população em situação de pobreza, caiu, também, no mesmo período, extraordinários 20%.

Para evitar o aumento da inflação e uma grave crise de abastecimento, o governo Peña Nieto está ultimando a importação, da Argentina e do Brasil, em caráter de emergência, de 300.000 toneladas de frango.
E ainda tem mexicano - que com certeza não precisa comer empanada na hora do almoço – que fica falando mal da Venezuela nos sites e redes sociais.

É isso aí.

Trata-se do incompetente e decadente Mercosul, dando de comer ao povo da nau capitânia da “próspera” – o México cresceu a metade do Brasil no ano passado – e “bem sucedida” – na opinião de The Economist e do Financial Times - Aliança do Pacífico.
 


Capa
Página 2
Página 3

Governo “amadurece” baixar os salários, admite Mantega

PNAD Contínua será divulgada, decide IBGE

“Volta Lula” e aumento da desaprovação popular faz PT lançar Dilma à reeleição 

Presidenta é vaiada por pecuaristas

Governo anuncia mais privatização do petróleo após eleição deste ano

Balança comercial: de janeiro a abril, importações superam as exportações em US$ 5,6 bi

Para a defesa de Genoino, mandá-lo de volta à prisão equivale à “pena de morte”

Página 4 Página 5

CGTB reúne milhares em defesa do crescimento, emprego e salário

Críticas ao governo federal e vaias aos representantes da presidente marcam 1º de Maio da Força Sindical

CUT, CTB e UGT criticam a mídia e defendem a união pela aprovação da pauta trabalhista

Esporte

Publicidade

Página 6

Figuras e figurinhas em 1964: antes e depois do golpe contra o Brasil (7)

Página 7 Página 8

1º de Maio nas ruas da Europa: repúdio a arrocho e desemprego

Portugueses exigem saída de governo submisso à troika

Na Praça Vermelha, trabalhadores saudaram unificação da Crimeia com Federação Russa

Multidão em Havana celebra conquistas da Revolução

A agressão aos direitos humanos na Coreia do Sul

"Rechaço condicionamentos vindos dos EUA ao diálogo"

"Fora junta fascista de Kiev"

Turquia: Erdogan reprime encontro na Praça Taksim

Bangladesh: trabalhadores exigem indenização às transnacionais que produziam em prédio incendiado