Presidenta decide não falar nada para o trabalhador no Primeiro de Maio, na TV     

A presidente Dilma Rousseff comunicou que, pela primeira vez desde que assumiu o cargo em 2011, não fará pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV no 1º de maio, Dia do Trabalhador. A informação foi repassada pelo ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, na segunda-feira (27).

O ministro negou que o objetivo seja evitar um novo panelaço, como o registrado em 8 de março, quando Dilma fez pronunciamento pelo Dia Internacional da Mulher. Na ocasião, durante a fala da presidente um panelaço foi ouvido em bairros de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Brasília,

Mais dois panelaços ocorreram desde então: em 15 de março, enquanto os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Miguel Rossetto (Secretaria Geral) concediam entrevista para comentar as manifestações de rua que reuniram milhares de pessoas em todo o país; e no dia seguinte, quando a presidente apareceu em reportagem do Jornal Nacional.

Segundo Edinho Silva, Dilma se manifestará por meio das redes sociais. "Nós optamos, por meio de uma decisão coletiva, de toda a coordenação política – coletiva e unânime –, que ela deveria valorizar as redes sociais e dialogar com a sociedade brasileira por meio das redes sociais", disse. Ele acrescentou que a decisão é uma forma de "valorizar outros modais de comunicação".


Capa
Página 2
Página 3

MPF denuncia Vaccari e Renato Duque por lavagem de propina

Aliada de Eduardo Cunha alega na PF não lembrar o motivo de assinar requerimentos

Presidenta decide não falar nada para o trabalhador no Primeiro de Maio, na TV 

Fala de Dilma sobre terceirização é dúbia

arta reafirma relatório contra adiamento da redução das dívidas de Estados e municípios

“É necessário sair da base do governo Dilma”, defende governador pedetista do MT

Calote do governo federal obriga governo do RS a adiar pagamento da parcela da dívida com a União

Na PF, Gleisi admite que pediu doação ao Cartel do Bilhão

Página 4 Página 5

Professores retomam greve no PR contra assalto à Previdência

Pressão dos trabalhadores reverte 500 demissões na Mercedes-Benz

Ministro afirma ter confiança que MPs que roubam direitos trabalhistas ‘serão aprovadas’

Professores de São Paulo aprovam continuidade da greve

Philips é condenada a indenizar trabalhadores por contaminação

ESPORTES

Página 6

   A política de sabotagem e privatização da senhora Rousseff contra a Petrobrás

Página 7

Assassinato de jovem negro por polícia racista conflagra Baltimore

Testemunha relata: policial deu joelhaço nas costas de Freddie

   Castor Bryant: “não sei como você pode ser negro nos EUA e ficar em silêncio”

  
Corrupção e impunidade nos EUA

Comunidade internacional mobiliza ajuda para o Nepal

   Ativistas entregam na ONU 8 milhões de assinaturas por um mundo sem a Bomba-A

Página 8

Cameron faz cortes no NHS e já atinge tratamento de leucemia

Motoqueiros russos repetem trajeto do Exército Vermelho rumo a Berlim na 2a Guerra

Professores em greve marcham em Bogotá por salários e contra a privatização do ensino público

México: pais repudiam 2 anos de impunidade de agressores dos 43 estudantes em Iguala

Marcha contra agressão de Obama a Venezuela toma as ruas de Caracas

Aos iemenitas determinar o seu futuro