Antonio Cruz/ABr

Dilma torra 513 bi com juro e tira mais 6,65 bi da Saúde e Educação

E ainda culpa a Lava Jato pela recessão

No mesmo dia (30/03) em que o governo publicou decreto com limites de empenho para órgãos federais, com um corte adicional de R$ 21,2 bilhões, o Banco Central publicou o relatório de política fiscal no qual registra que em janeiro e fevereiro foram desviados do setor público R$ 86,006 bilhões (8,84% do PIB) para gastos com juros e nos últimos 12 meses, nada menos que R$ 513,433 bilhões (8,64% do PIB). E o governo e o dilmismo em geral ainda têm a cara de pau de culpar a Lava Jato pela recessão e, como consequência, o desemprego em massa.

O estúpido gasto com juros, que sangra o país e é o principal entrave ao seu crescimento, vem crescendo ano a ano. Só para citar dados mais recentes, em 2013 foram torrados R$ 248,856 bilhões. Em 2014, mais R$ 311,380 bilhões. No ano passado, R$ 501,786 bilhões. E pelo andar da carruagem este ano vai superar essa transferência recorde de recursos públicos para os monopólios financeiros.

Especuladores estrangeiros têm se dado bem com os juros altos. De acordo com o Tesouro Nacional, a participação dos estrangeiros na dívida pública aumentou de 18,6% em 2014 para 18,8%, em 2015. A entrada de capital se dá através de operações especulativas chamadas de carry trade, que consiste em pegar dinheiro em países como Estados Unidos e Japão, com juros negativos ou quase isso, e aplicar em títulos da dívida pública brasileira, com juros de 14,25% ao ano. Mas esse percentual de participação de estrangeiros na dívida pública está subestimado, pois bancos de fora instados aqui, como Santander, por exemplo, não são contabilizados como estrangeiros.

É bom registrar que os juros são fixados pelo próprio governo, através do Banco Central que fixa a taxa básica (Selic), que serve de referência para o conjunto da economia. Segundo o BC, em fevereiro, a taxa do cheque especial chegou a 293,9% ao ano e a taxa do rotativo do cartão de crédito atingiu 447,5% ao ano.

Pesquisa CNI-Ibope sobre o governo Dilma, divulgada na quarta-feira (30/03), aponta que “os brasileiros estão especialmente insatisfeitos com as políticas para impostos e juros. De acordo com a pesquisa, 91% desaprovam a atuação do governo na área de tributos e 90% reprovam a taxa de juros”. De acordo com a pesquisa, na avaliação de 69% da população, o governo Dilma é ruim ou péssimo.

CORTE GERAL

Através do Decreto n° 8.700/2016 o governo passou a tesoura em R$ 21,2 bilhões nas despesas primárias discricionárias do Poder Executivo. Como em fevereiro já tinha havido um corte de R$ 23,4 bilhões, o “ajuste fiscal” totaliza R$ 44,6 bilhões. Conforme o Ministério do Planejamento, o limite de empenho de despesas discricionárias após o corte de quarta-feira é de R$ 212,166 bilhões, inferior ao empenhado em 2015, no valor de R$ 235,233 bilhões.
O corte foi geral. A Educação, por exemplo, teve uma perda adicional de R$ 4,277 bilhões. Isso porque a Pátria é Educadora. Na Saúde, o corte foi de R$ 2,373 bilhões, em meio à proliferação da dengue, zika e chikungunya. Já o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – no qual está inserido o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida (MCMV) - perdeu mais R$ 3,210 bilhões. No primeiro bimestre, as verbas do PAC somaram R$ 6,96 bilhões, uma queda de 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado, quando totalizou R$ 7,46 bilhões, conforme números do Tesouro Nacional.

CASA PRÓPRIA

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o governo alardeou a meta de construção de 2 milhões de moradias populares até 2018. Com a popularidade em baixa e com debandada de partidos da base, parece mais uma das jogadas de marketing que caracterizou a administração Dilma. Tanto assim que as despesas com o programa Minha Casa Minha Vida tiveram uma queda acentuada em janeiro e fevereiro, somando R$ 1,24 bilhão, o que significa uma redução de 54% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando totalizou R$ 2,75%.

Essa tesourada toda só tem um objetivo: raspar o tacho para passar mais dinheiro aos bancos. De forma temerária, pois a dívida bruta do governo geral (governo federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) alcançou R$ 4,017 trilhões em fevereiro (67,6% do PIB).

VALDO ALBUQUERQUE






 

 


Capa
Página 2
  Página 3

Temer-PSDB, pacto para abafar Lava Jato e manter a recessão

Ministro da recessão “defende” Dilma

Cunha é obrigado a recuar de mais uma manobra

PSB descarta retornar à base dilmista

PMDB foi o maior sócio e beneficiário desse governo nos últimos 13 anos, diz Marina Silva

Eleições Já! (Vladimir Palmeira)

Lula e Dilma ignoraram todos os meus avisos, afirma Ciro

PF identifica agressores do ministro Teori Zavascki

Página 4 Página 5

Servidores: governo tenta impor PL para pilhar salário e demitir

Funcionários públicos do Rio voltam às ruas para exigir pagamento dos salários

Rio Grande do Sul anuncia que funcionalismo terá vencimento de março parcelado até o final de abril

Professores de SP rejeitam proposta de Alckmin que suspende bônus e reajusta salários em 2,5%

Desemprego na Grande SP sobe de 14% para 14,7% em um mês

“Fora Dilma e Temer! Eleições Gerais Já”, defende a CGTB

ESPORTES

Página 6

Inglaterra: privatizada, indústria do aço está à beira da falência

Charlie Hebdo faz piada sobre a desgraça dos atingidos pelo atentado em Bruxelas

“Usamos sanções econômicas em relação a países que se negam a nos atender e a mudar seu comportamento”

Convenção da ONU reafirma decisão: Malvinas argentinas

Liberdade, igualdade, fraternidade abandonadas para o exílio forçado

 

Página 7

França para contra assalto de Hollande ao Código do Trabalho

Sarandon defende Sanders por ser o melhor para presidir os EUA e para derrotar Trump

Corte Europeia mantém impunidade dos policiais ingleses que mataram o brasileiro Jean Charles

Japoneses repudiam “reforma” que permite aos EUA usar FFAA nipônicas como bucha de canhão

Uma luz no fim do túnel?

Produção industrial do Japão despenca 6,2% em fevereiro


Boeing anuncia demissão de 4,5 mil trabalhadores


 

Página 8

História da Petrobrás - (8)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FV-  '\Q2 DC ZVBNM