Governo do Rio Grande e do Amapá voltam a parcelar salários de servidor

 O Governo do Estado do Rio Grande do Sul decidiu pagar o salário dos servidores dos gaúchos de forma fracionada. O anúncio foi realizado pelo secretário da Fazenda, Giovani Feltes na última quinta-feira, 28, em entrevista à Rádio Gaúcha.

De acordo com o secretário, a primeira parcela do mês de abril, foi depositada na sexta-feira, 29, no valor de R$ 1,5 mil, e as demais serão creditadas de forma escalonada nas contas dos funcionários até o dia 13 de maio. “Nós fazemos sempre nove faixas com objetivo de pagar o mais celeremente os servidores. A gente anuncia a primeira faixa em maior volume que é o dinheiro que garantido teremos. A segunda e terceira faixa e assim sucessivamente, é conforme as expectativas que se tem de dinheiro”, justificou o secretário.

O novo parcelamento ocorreu um dia após a audiência do Supremo Tribunal Federal (STF) em que os ministros do STF decidiram suspender por 60 dias o julgamento que vai decidir que tipo de juros deve corrigir as dívidas dos estados com a União. Dessa forma, a União não poderá bloquear as contas do estado em caso de atraso no pagamento da parcela da dívida, que costuma ocorrer na primeira semana do mês.

 AMAPÁ 

Na quinta-feira, 28, o governo do Amapá também anunciou que vai, pela segunda vez consecutiva, parcelar os salários dos servidores públicos. A medida atinge o mês de abril da mesma forma como ocorreu com os vencimentos de março, 60% final do mês, dia 30, e 40% no dia 10 de maio. Assim como o Rio Grande do Sul, o Estado do Amapá é um dos onze estados que já conseguiram decisões liminares para trocar os juros que incidem sobre as dívidas.

 

 


Capa
Página 2
  Página 3

Confissão de Delcídio faz Janot solicitar novos inquéritos ao STF

Procurador do MPF junto ao TCU diz que Dilma praticou “fraude fiscal” e “contabilidade destrutiva”

Um fantasma no Planalto

Lindbergh diz que na próxima vai dar uma cuspida em Caiado

Requião: saída para a crise é consultar os brasileiros

Página 4 Página 5

“Povo quer votar”, conclamam CGTB e Conlutas no 1º de Maio

Cut faz 1º de Maio com Dilma dos cortes e do desemprego

“Trabalhadores não suportam mais tantos juros e tanta falta de perspectivas”, diz Força Sindical

Por telegrama, GM demite 300 que estavam afastados e Sindicato denuncia na Justiça

Governo do Rio Grande e do Amapá voltam a parcelar salários de servidor

Médicos e funcionários exigem novas contratações no HU-USP

ESPORTES

Página 6

França, 1o de Maio: trabalhadores rechaçam a traição de Hollande 

Trabalhadores ingleses exigem saída de Cameron e defendem serviços públicos

Centrais espanholas rechaçam governo de arrocho e miséria

Rússia: comunistas destacam feitos do socialismo e no evento oficial trabalhadores exigem avanços

Raul comanda marcha com centenas de milhares de cubanos

Centrais argentinas repudiam o desmonte da economia, perdas e desemprego causados por Macri

Desmantelo neoliberal de Nieto é condenado nas ruas do México

Federação de Sindicatos sírios saúda o ‘dia de solidariedade’ e afirma que patriotas vencerão terroristas invasores

Página 7

Derrubada no investimento joga o PIB dos EUA no chão

1º de Maio: trabalhadores de NY, Seattle e LA vão às ruas por emprego e contra racismo

Filipinos exigem direitos trabalhistas, o fim do arrocho salarial e combate ao desemprego

Porto Rico anuncia moratória: ‘as necessidades do povo acima de tudo’

Coreanos do Sul repudiam ataques a direitos trabalhistas

Polícia do sultão Erdogan assassina trabalhador ao reprimir Ato do 1º de Maio

Página 8

Fernando Siqueira: “diretoria da Petrobrás sabota a companhia”