Ciro Gomes vê PT esganado por
‘carguinho’ na Câmara e Senado

Para o ex-ministro, apoios dos petistas a nomes ligados a Temer nas eleições para presidir as duas Casas legislativas é “inacreditável” e “seria nada menos do que TRAIÇÃO!”

Declarou o ex-governador Ciro Ferreira Gomes, que o apoio do PT aos candidatos de Temer à presidência da Câmara e do Senado, significa que "perderam completamente a noção de País, de Nação e de interesse público. Trocar o restinho de respeitabilidade por um carguinho e suas mordomias seria nada menos do que TRAIÇÃO!" (as maiúsculas da última palavra são do próprio Ciro, no texto que publicou em sua página do Facebook).

O apoio aos candidatos de Temer, em troca de alguns cargos, tem o apoio de Lula – se não é que, como na eleição passada, de Rodrigo Maia (Dem-RJ), ele não é o autor da ideia genial. Pela desinibição – isto é, falta de vergonha - de outros petistas, é até provável.

Na terça-feira pela manhã, quando fechamos esta edição, deputados federais do PT anunciavam que, na reunião da bancada marcada para o mesmo dia, discutiriam o apoio a Jovair Arantes (PTB-GO) e a Rodrigo Maia (Dem-RJ) para a presidência da Câmara.

Tanto Maia quanto Arantes, na segunda-feira, acenaram aos seus futuros eleitores que se empenharão em barrar a Operação Lava Jato, através da aprovação do projeto contra um suposto "abuso de autoridade" e pela manutenção das adulterações, feitas na Câmara, na lei anti-corrupção de iniciativa popular. Talvez seja isso, até mais que os cargos, que entusiasma o PT a apoiar os candidatos de Temer.

Quanto à reunião do Diretório Nacional petista, marcada para o dia 19, quinta-feira, segundo o líder do PT, Carlos Zarattini (SP), que esteve presente no lançamento da candidatura do deputado Jovair Arantes, ela não discutirá a questão, apesar de vários membros da legenda solicitarem um posicionamento da direção – e até mesmo o fechamento da questão, apesar do voto ser secreto para a mesa da Câmara.

Segundo o deputado José Guimarães (PT-CE), ex-líder do governo Dilma, "a grande dificuldade da conjuntura no momento é a reinserção do PT no seu habitat social".

Só falta o deputado esclarecer qual é o "habitat social" do PT e quem foi que tirou o PT desse "habitat".

Mas a frase de Guimarães, no estilo Rolando Lero, é apenas para fugir ao julgamento popular. Só isso. Porque predomina, em verdade, a posição expressa por uma filo-petista que teve um alto cargo no governo do PT: "a escolha será entre o realismo político e soberba". Realismo político é apoiar os candidatos de Temer e levar uns cargos. "Soberba" é recusar-se a ser comprado ou não oferecer a si próprio para venda. Esse é o critério político, ideológico e moral dessa gente.

Nenhum petista, dos que se pronunciaram antes da reunião da bancada de deputados, falou em discutir – pelo menos discutir - o apoio à candidatura do deputado André Figueiredo (PDT-CE).

Sobre a candidatura de André Figueiredo, disse Ciro: "é preciso lutar. Tem uma piada que ensina sobre isso. Diz que o cidadão ia todo dia ao santo pedir para ganhar na loteria. E um dia o santo reclamou: ‘Rapaz, pelo menos, joga, né?’. Então, precisamos criar alternativas. E o André teve a coragem. É um cara limpo, decente, respeitado".

Realmente, o apoio a Rodrigo Maia - capanga de Temer quanto ao congelamento de gastos públicos com as necessidades do povo, ou às tentativas de acabar com a Previdência pública e com a legislação trabalhista - ou ao step de Maia, Jovair Arantes, relator do impeachment de Dilma, somente demonstra o quanto é falsa toda a viscosa retórica do "golpe". Na hora dos cargos, vale votar no relator do impeachment de sua imaculada (Deus!) presidenta.

A adesão do PT, na eleição das mesas da Câmara e do Senado, à base de Temer – uma tralha reacionária, sem escrúpulos e estúpida, como poucas vezes houve na história do país, se é que alguma vez houve – mostra que não foi por acidente que os petistas, duas vezes, colocaram Temer na vice-presidência da República, e seus asseclas em alguns dos principais cargos do governo. Temer et caterva e a cúpula do PT são muito parecidos. Aliás, a julgar pelo assalto à Petrobrás e outras aventuras petistas, nada se pode esperar de essencialmente diferente dos últimos.

Por isso, não nos espanta que, como disse Ciro, "o PT troque um compromisso com o País, com a decência, com a democracia, com o enfrentamento ao golpe e aos golpistas, por um carguinho, uma sinecura; por meia dúzia de quinquilharias do poder".

Esse "compromisso com o país, com a decência, com a democracia, com o enfrentamento ao golpe e aos golpistas" não existe há muito. Nem o golpe, que sempre foi, como disse Vladimir Palmeira, uma "narrativa", uma "versão que tenta se sobrepor aos fatos".

Por isso, "trocar o compromisso com o futuro por meia dúzia de carguinhos irrelevantes na burocracia da Câmara e do Senado" - nas palavras de Ciro – é a lógica de quem não tem compromisso com o futuro porque não tem futuro.

Sobre o apoio do PT à candidatura de Eunício Oliveira (PMDB-CE) para a presidência do Senado, disse Ciro que "se quiserem eleger para o Senado uma figura dessa daí, a gente está só dizendo: atenção Brasil, o Senado continua dominado por uma maioria de ladrões, salafrários, corruptos, que vai continuar levando o País para essa novela escandalosa".

O ex-governador do Ceará lembrou que Eunício – assim como seu antecessor, Renan Calheiros – está implicado na Operação Lava Jato.

"Se não houver alternativa, vai dar nisso daí mesmo: nesse pragmatismo irresponsável, nessa pusilâmine corrupção fisiológica, que domina o País", afirmou Ciro.

"Eu espero que a Operação Lava Jato cumpra o seu papel histórico. Pode ser um papel histórico, se ela representar o fim da impunidade como grande prêmio tanto para o baronato da política como para o baronato dos ricos. Se ela for isso, terá feito história", disse Ciro.

 

C. L

 

Capa
Página 2
Página 3

Ciro Gomes vê PT esganado por ‘carguinho’ na Câmara e Senado

Para juiz, Geddel agia conjuntamente com Cunha para assaltar a Caixa Econômica

Aposentado aos 55 e recebendo R$ 30 mil, Temer diz que idade mínima de 65 anos é “inegociável”

Aliado de Temer, Cunha e Geddel liberaram empréstimo na Caixa por propina, apura PF

Recessão piora, PIB despenca e governo festeja a microscópica redução da Selic

“Jango e Eu revela a relação de amizade entre pai e filho no exílio”, diz João Vicente

Ex-tesoureiro de Serra admite que recebeu da Odebrecht 23 milhões em conta na Suíça

Página 4 Página 5

Governo ameaça CLT com PL que prevê jornada de 12 horas

Arnaldo Faria de Sá exige auditoria nas contas da Seguridade Social

Sem salários, Polícia Civil do RJ entra em greve e PMs e Bombeiros pedem carona para ir trabalhar

Pensão por morte: PL da Previdência poderá deixar 4 milhões de pessoas com salário abaixo do mínimo

Justiça barra demissão em massa em fundações do Rio Grande do Sul que o governo pretende fechar

Caixa anuncia PDV com meta de demitir 10 mil funcionários

“Corte de apenas 0,75 p.p não ajuda a economia do país”, afirma Miguel Torres

Copa São Paulo: Fla e Timão duelam nas quartas de final

 

 

Página 6

Mexicanos rejeitam tarifaço no combustível e exigem: ‘Fora Nieto’

Odebrecht confessa haver subornado funcionários no Peru, Colômbia, Panamá, Equador, Argentina e outros países na AL

Venezuela “é ameaça à segurança dos EUA", diz Obama ao prorrogar sanções

Papa Francisco inaugura embaixada da Palestina no Vaticano

Patrocínio aos terroristas à saída da Casa Branca

Publicidade

Publicidade

Página 7


Nobel da Paz Obama cometeu 70 bombardeios por dia em 2016

Pequim adverte Trump: princípio da Uma Só China “é inegociável”

Concentração da riqueza explode em 2016: apenas 8 bilionários têm o mesmo que 3,6 bilhões de pessoas

Ministério Público sul-coreano pede prisão do vice-presidente da Samsung por suborno

Manobras dos EUA/Otan visam desestabilizar a segurança da Europa, denuncia Rússia

Seul: Park Geun-hye listou milhares de artistas para perseguição política

Página 8

Mercado externo, agronegócio e as farsas “neodesenvolvimentistas” (1)